quinta-feira, 24 de março de 2011

Permanecer.

Voltas, voltas e mais voltas. Eu ainda permaneço aqui.
Mudam as pessoas, mudam o cenário, mudam os amigos, eu anda permaneço aqui.
Nem sou um ser imutável, tenho me adaptado tanto... Mas porque as pessoas não se adaptam um pouco a mim?
Depois que você não permaneceu mais aqui, até procurei, encontrei alguns, mas nenhum foi um par pra dividir. Agora que querer o impossível se tornou a minha realidade, vou me fechar no meu mundo, já são bem poucos os que realmente importam pra mim, posso escrever pra eles de lá.

Acho que é esse o momento do resguardo, introspecção.
Sabe, me sinto como a poeira do chão, aonde se varre e junta com uma pá, ou então me jogam pra debaixo do tapete, e assim me vou, de um lado pro outro, sem questionarem qual é a minha real vontade.

Na verdade, qual é a minha real vontade?

1 opiniões:

Július disse...

Na verdade todo mundo sente isso as vezes, eu me sinto assim quando vejo até as aves indo para um novo passeio pelos céus, quando no horizonte tenho a surpresa de encontrar alguem que não via a muito tempo e me olho no espelho, e digo: - Puxa ainda continuo assim (!!).
É complicado, mas afinal, vemos pouco nós mesmos mudar, só as eternas fotos, a imagem impressa no papel ou na internet nos dá uma noção disso, do devir de nós mesmo.
Guih a troca equivalente é possivel, acredito assim como você em sua existência, já senti isso, entre meus dedos, foi breve e real.
Só não se feche, seu mundo é belo também.
Admiro sua reflexão.
E estarei no meu blog esperando seu dito sobre minhas palavras simples.